Bossa Nova no rádio

Bossa Nova no rádio

Já começaram a ir ao ar, na rádio MEC FM (99,3) e na Rádio Cultura FM (103,3) os programas da série “A onda que se ergueu no mar – Seu caso de amor com a Bossa Nova”. Serão oito programas, sempre aos domingos (20h na rádio MEC e 14h na Cultura), trazendo dezenas de gravações sensacionais, muitas delas raras e jamais ouvidas em rádio. A série de programas, produzida por Thiago Regotto, tem roteiro meu e de Julia Romeu. Abaixo, os links dos primeiros programas, que já foram ao...

Leia Mais

‘Agora e na hora’

‘Agora e na hora’

Já está nas livrarias meu novo romance (pela Companhia das Letras), ‘Agora e na hora’ – uma história sobre a morte e sobre o ofício de escrever . ‘Agora e na hora’, que levei dez anos para terminar, acabou se revelando também um embate entre escritor e personagem. Aqui vai um pequeno trecho: “Senti uma estranha euforia, um medo caloroso, feito de gritos, não de silêncios. E tive vontade de dizer alguma coisa que o deixasse chocado. Cheguei um pouco mais à frente, encostando no tampo de cristal da mesa meu peito corrompido. — Quanto tempo? Ele baixou os olhos. Nenhum homem, por mais calejado que seja, enfrenta essa pergunta sem titubear. O médico piscou várias vezes, e por um segundo tive a impressão tola de que ele...

Leia Mais

‘O poço e o pêndulo’ no palco do CCBB

Na segunda-feira, 19 de setembro, das 18h30 às 20h, no Teatro I, o Centro Cultural Banco do Brasil dá início ao ciclo Histórias Extraordinárias, com a apresentação do monólogo ‘O poço e o pêndulo‘, clássico de Edgar Allan Poe, uma adaptação minha. Escrito especialmente para o projeto, o texto será apresentado, na forma de leitura dramática, pelo ator Zécarlos Machado, com direção de Eduardo Tolentino, ambos do grupo teatral paulistano Tapa. Após a leitura, Zécarlos, Tolentino e eu participaremos de um bate-papo, mediado pela escritora e filósofa Marcia Tiburi. O Projeto Dirigido ao público jovem, Histórias Extraordinárias acontecerá na penúltima segunda-feira de cada mês, de setembro de 2016 a fevereiro de 2017, das 18h30 às...

Leia Mais

Correndo contra o relógio

Correndo contra o relógio

A crise chegou às escolas de samba. Ao ouvir isso, pensei: Oba! Menos dinheiro significa menos patrocínios esdrúxulos e menos luxo, mas, quem sabe, mais criatividade. Ou seja, mais samba e menos espetáculo. Mas acho que me enganei. Mal me enchi de esperança e li uma nota (na coluna Gente Boa, do GLOBO) dizendo que a Liesa, por causa da falta de dinheiro, estuda reduzir o número de carros alegóricos obrigatórios, de seis para cinco (o que seria ótimo), e – aí é que vem o problema – o tempo dos desfiles das escolas, de 82 para 70 minutos. Ora, se as escolas já passam marchando, quase correndo, e se o ritmo alucinado dos últimos anos já vinha desfigurando completamente o gênero samba-enredo, o que será do desfile se tiver de acontecer com 12...

Leia Mais

Choro de perdedor ou falta de memória?

Choro de perdedor ou falta de memória?

Vão dizer que é choro de perdedor. Talvez seja mesmo. Ganhar é bom, não é? Nós não ganhamos. Não entramos na lista dos dez melhores espetáculos de teatro em 2015, feita pelo Globo. Quando digo “nós”, refiro-me ao musical “Bilac vê estrelas”, que escrevi em parceria com Julia Romeu, com músicas (inéditas) de Nei Lopes. Um musical brasileiríssimo, que recebeu uma montanha de elogios em sua estreia no Teatro Sesc Ginástico, do Rio. “Bilac” ganhou seis indicações para o Prêmio Cesgranrio e uma para o Shell, sem falar no Prêmio Bibi Ferreira, de São Paulo, no qual teve sete indicações e levou dois prêmios – Melhor Musical Brasileiro e Melhor Música. O principal crítico do Globo, Macksen Luiz, deu ao nosso...

Leia Mais

‘Bilac’ é o Melhor Musical Brasileiro

‘Bilac’ é o Melhor Musical Brasileiro

Nosso musical “Bilac vê estrelas” recebeu ontem, 14 de outubro, o Prêmio Bibi Ferreira de Melhor Musical Brasileiro 2015, em cerimônia realizada no Theatro Municipal de São Paulo. Além de eleito o melhor espetáculo nacional, “Bilac” recebeu também o prêmio de Melhor Música, pela trilha sonora de Nei Lopes, com 15 canções brasileiríssimas e originais.O Prêmio Bibi Ferreira, criado há três anos, é dedicado exclusivamente ao teatro musical, esse gênero que tanto tem crescido no Brasil. Da equipe de “Bilac vê estrelas”, além das autoras (eu e Julia Romeu, indicadas para a categoria Melhor Roteiro) e das produtoras (Maria Angela e Amanda Menezes), estavam presentes à cerimônia os atores André Dias, Caíque...

Leia Mais